Poemas no ônibus

“Já em idade vetusta
quero ócio com dignidade
não posso, pois muito me custa
ter ossos com porosidade.

Ginástica, musculação,
resguardo, repouso, que tédio!
Comer com moderação,
não esquecer do remédio!

É tanta prescrição
que lembro o Quintana velhinho:
os meus males passarão quando eu for um passarinho?”

Luiz Fernando Fontes de Albuquerque

2 Respostas para “Poemas no ônibus

  1. sou um passarinho, mas não sei voar, eu só sei cantar!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s