Det Sjunde Inseglet

Revisitar o blog é revisitar o passado. Alguns questionamentos, algumas ânsias. Esses dias, por acaso, acabei assistindo outro Bergman: O Sétimo Selo. Sublime. É praticamente existencial, pois trata de vida e morte, Deus ou ateísmo. Como é permeado por questões atemporais, sempre será atual. A chegada da peste e aqueles que buscam a salvação de Deus através da penitência. A morte sempre à espreita. Um jogo com a morte. Muitas dúvidas, ninguém para responder.
Já tive uma fase mais pensativa sobre o caso, creio que nos meus 18 anos – 2006. Na época comprei o livro Intermitências da Morte, de José Saramago, para tentar lidar melhor com isso. Depois da leitura os pensamentos arrefeceram. Saramago me consolou. A morte é não só inevitável, como desejada. Mas para os outros, nunca para os nossos.
Mesmo se Jöns e Antonius tivessem lido Saramago, não estariam tranquilos. Para além do sentido da morte, buscavam o sentido da vida. Ironicamente, Antonius ao jogar xadrez com a Morte esperava dela respostas sobre a vida. Infelizmente, a Morte não portava resposta alguma.
Para além das questões do filme, certamente fiquei prestando atenção no idioma, que aos poucos se esvai da minha memória. Próximos filmes a ver serão, creio, “Persona” e “Fanny och Alexander”. Ainda ano passado – acho! – vi “Vi är bäst”, Nós Somos as Melhores. Bateu uma saudade, principalmente por aparecerem mais cenas de Estocolmo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s